B.I.  do Bísaro

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

Nas terras nortenhas de Portugal cria-se o porco bísaro refere José Miranda do Vale em Gado Bissulco (Suíno, Bovino, Aretino, Caprino). Livraria Sá da Costa, 1949. Na classificação de Sanson os bísaros são designados por Sus celticus, enquanto Cornevin lhes chamou Sus scrofa macrotis.


A generalidade dos tratados aludem à origem céltica da raça bisara, localizando o seu território a norte do rio Tejo, realçando o facto de ter escapado e conservado a sua pureza um reduzido número de bísaros, já que a maioria foi objecto de numerosos cruzamentos especialmente com as raças Berkshire e Yorkshire. Os exemplares puros estão na origem da revitalização da raça que está em curso.


A história das origens do porco e sua irradiação pelo Mundo diz-nos do respeito que os celtas tinham por ele rendendo-lhe culto a preceito. O mito celta da princesa Goleuddydd, progenitora de Culhwch, significando o seu nome barriga ou refúgio do porco. A centralidade desse mito reside no facto de Goleuddydd, paria numa pocilga, ou seja ela é uma porca-mãe, a porca Deusa, e Culhwch é o leitão. Ora, os celtas invadiram a Península vindos da Gália e uniram aos ibéricos, redundando nos celtiberos. Não causa espanto se dissermos que com eles trouxeram crenças, hábitos e modo de vida e, trouxeram o porco já na qualidade de animal doméstico, o que não terá constituído surpresa para os agricultores da Península, pois também o conheciam nessa mesma qualidade. Daí a classificação científica a referenciar a origem celta Sus celticus.



A forte invasão celta ocorreu no século VI a.C., o porco de ascendência celta deu origem à raça bisara assente na actualidade em duas variedades: a Galega de cor branca, podendo também apresentar-se branca com malhas pretas, e a Beirôa de cor preta ou preta com malhas brancas. As duas variedades têm o corpo com cerdas longas e rijas. Dentro da raça bisara também existiu outra variedade – a Molarinhos – actualmente extinta, cujos animais possuíam a pele fina sem cerdas.

Sendo uma raça autóctone portuguesa, o seu bilhete de identificação refere:

O Porco Bisaro